Aplicativos Destaque Evangelização

Aplicativos: Como eles podem ajudar no relacionamento com os fiéis

Aplicativos: Como eles podem ajudar no relacionamento com os fiéis

Com o advento da internet, o mundo ficou cada vez menor. A interatividade e a conexão com pessoas dos mais diversos lugares do mundo tem o poder de unir ainda mais os próximos e aproximar os distantes. Quando se fala de comunicação católica, a internet com sua infinidade de aplicativos abriu um leque de opções, que permitem relacionamento e difusão de informações de modo rápido e eficiente.

Os aplicativos são popularmente conhecidos pela abreviatura app, e são softwares desenvolvidos para serem instalados em um dispositivo móvel, como smartphones e tablets. Os apps podem ser instalados no dispositivo, ou se o aparelho permitir, descarregados pelo usuário através de uma loja on-line, tais como Google Play e App Store.  Os aplicativos estão disponíveis de forma gratuita ou paga.

Aplicativos à serviço da evangelização

A Igreja Católica acompanha – desde seu início – o desenvolvimento e evolução das tecnologias, não só como espectadora, mas como agente de participação e inovação. Desde que a internet se popularizou que a Santa Sé alimenta sites e mídias sociais que permitem uma conexão mais próxima com a juventude, principais usuários e promotores das novas tecnologias, e com todos os que estão conectados a rede.

É neste cenário que a Igreja inicia uma busca para alcançar seus fiéis e estar onde estes estão, assim, os aplicativos como ferramenta de comunicação evangelizadora ganham espaço e força.

O Diretório de Comunicação da CNBB (n° 99) diz que “as novas tecnologias permitem que as pessoas se encontrem para além das fronteiras de tempo, espaço e da própria cultura”. A Igreja, além de seguir um caminho que já foi previsto no passado, cumpre seu papel principal e fundamental: levar a boa nova a toda criatura, como você pode ver neste vídeo [Tecnologia e evangelização. Você precisa saber mais sobre esse assunto].

Aplicativos pensados para a necessidade eclesial

Atualmente, empresas especializadas em marketing católico estruturam aplicativos que possuem finalidades específicas para a demanda eclesial. É possível permitir acesso a espiritualidade com abas da liturgia diária, bíblia online, horários de missa, pedidos de oração, homilias, etc; além disso, a realidade institucional também pode ser explorada com calendário paroquial, espaço da palavra do pároco, notícias da paróquia, artigos e demais documentos institucionais; alguns app possibilitam a interação com as redes sociais, materiais multimídia como vídeos, música, áudios, entre outros recursos.

Com o auxílio destas ferramentas, são inúmeras as possibilidades: desde a comunicação entre os próprios fiéis, de modo gerenciado, e com oportunidades de interação criadas pela Igreja, que permita comunidades, pastorais e movimentos fazerem do ambiente digital um espaço de evangelização e de encontro. O que, muitas vezes, a correria do dia a dia não permite no offline.

Destas, e de muitas outras formas a instituição pode chegar ao fiel. Sabendo aproveitar as ferramentas digitais é possível engajar e aumentar a participação dos fiéis na vida da Igreja.

Redes Sociais e aplicativos de conversa instantânea: espaço de encontro

As redes sociais hoje se tornaram ambiente propício do encontro. Um dado do site Techtudo afirma que 62% da população brasileira está na Rede Social, ou seja, mais de 130 milhões de pessoas utilizam estas ferramentas para se conectarem a outras pessoas.

Se este é um ambiente de encontro de pessoas, é um ambiente propício para evangelização. Por meio da criação de Fanpages, os fiéis podem acompanhar toda a vivência paroquial ali divulgada; grupos de discussão, que podem até mesmo se tornarem grupos de oração, visto as facilidades da comunicação ao vivo, e tantas outras possibilidades como campanhas de orações ou de arrecadações, acompanhamento de agendas, cobertura de eventos, etc.

Aplicativos: Como eles podem ajudar no relacionamento com os fiéis

Os aplicativos geram encontro no meio digital.

 

Adicionar Comentário

Clique aqui para postar seu comentário