Pascom

Como saber o momento certo da Pascom contratar ferramentas?

As atividades da Pascom vêm mudando com o tempo. Elas foram e continuam sendo bastante impactadas pelas transformações na forma com que as pessoas consomem informações e se conectam com as demais no meio digital.

Como já abordamos neste post sobre a influência da tecnologia na Pascom, o primeiro terreno digital em que as Igrejas alcançaram foram as redes sociais, e muitas vem desenvolvendo um importante trabalho nele, como vimos em nossa conversa com a Paróquia Santo Antônio no bairro da Barra Funda – SP

Neste universo cheio de novas ferramentas, é comum que os comunicadores católicos tenham dúvidas quanto ao melhor momento para buscar ferramentas e também quais são os passos iniciais na direção destes recursos. Pensando nisso, reunimos alguns argumentos para somar neste planejamento.

Excesso de atividades operacionais que ocupam muito tempo

No operacional da comunicação existem muitas tarefas repetitivas que ocupam muito espaço do tempo de trabalho dos comunicadores. Enviar e-mails em pequenos lotes para não ser bloqueado pelo webmail gratuito, imprimir mensagens em cartazes e ter dificuldade para atualizá-las, ter somente o espaço das missas como canal de comunicação efetivo com os fiéis…

Essas atividades, que não são um objetivo final, em muitas situações podem atrasar os verdadeiros resultados para a instituição, principalmente quando o tempo disponível dos comunicadores é reduzido. Se sua Pascom sente alguns destes “sintomas”, é o primeiro sinal verde para a contratação de ferramentas.

Nesse cenário, ferramentas que cortam etapas manuais e são integradas conseguem entregar resultados com menor tempo de trabalho. Isso, em uma operação com grande volume de entregas tem bastante valor para a Pastoral da Comunicação, pois significa conseguir fazer mais com menos, abrindo espaço para outras tarefas importantes.

Momento certo da Pascom contratar ferramentas

Necessidade de resultados expressivos em campanhas

Quando a instituição está planejando uma campanha e a Pascom está responsável pela comunicação é certo que a expectativa por resultados é alta, correto? O desafio está em trazer resultados quando os canais de comunicação utilizados para a comunicação não “estão aquecidos” para trazer este retorno.

No caso das redes sociais, por exemplo, os resultados da campanha serão reduzidos caso a comunidade não esteja acostumada a receber conteúdos frequentes da Pascom. Para  reverter o cenário de pouco engajamento o melhor caminho é apostar em um cronograma frequente de conteúdos, prestando atenção para as preferências de navegação do público.

Este é também um grande desafio dos profissionais da comunicação: construir mensagens que atinjam o público onde eles estão (sites, blogs, aplicativos, redes sociais, e-mail) e que facilitem o que eles buscam fazer. Os resultados das campanhas dependem da qualidade desse esforço.

A devolução do dízimo é um dos aspectos da relação fiel e Igreja que pode ser facilitado, por exemplo. Hoje, podemos fazer o recebimento das devoluções via cartão de crédito e débito, bastando que a instituição tenha um site que contenha botões ou banners convidando as pessoas à devolução. 

engajamento na Igreja

Precisa aumentar o engajamento da comunidade com a Igreja?

Quando a instituição começa a ter dificuldades para engajar os fiéis com as ações da Igreja, vê reduções ou grandes oscilações na contribuição do dízimo, quando demora a atingir a comunidade com avisos e comunicados, estão aí bem claros os sinais da necessidade de contratação de novos recursos.

A implementação de ferramentas de comunicação é uma abordagem que soluciona grande parte destes desafios. Elas convidam os fiéis à participação nos canais que são relevantes para cada perfil, trazendo facilidades garantidas por vários recursos que podem ser utilizados em prol da evangelização e da facilitação da comunicação pela Pascom.

Em uma conversa recente com o Irmão Sílvio, do Mosteiro Santíssima Trindade (MG), vimos que este olhar de alcançar a audiência usando vários pontos de contato já está presente. O Mosteiro têm percebido diferenças nos perfis dos fiéis que acessam o aplicativo da instituição para aqueles que só acompanham suas redes sociais, o mesmo para quem recebe as informações por e-mail ou site. Se um canal deixa de ser utilizado, as mensagens deixam de ser entregues para aquele perfil de usuário.

Para um mosteiro que está afastado da cidade e quer manter um relacionamento de valor e de longo prazo com os fiéis que o visitam, atuar com uma rede de ferramentas como site, blog, aplicativo próprio, e-mail marketing e redes sociais faz todo sentido. Seus resultados no engajamento e na lembrança afetiva dos fiéis têm feito a diferença na evangelização realizada pela comunidade, como você pode ver na conversa que disponibilizamos.

Se você se interessar em conhecer melhor as ferramentas de comunicação católica, acesse o nosso site!

Se você em sua instituição se identificou com as três situações que descrevemos já deve imaginar que você está em bom momento para buscar novas ferramentas, certo?

Esse universo pode parecer complexo, mas as soluções são simples e eficientes na construção de relacionamento e melhores resultados. Conte com a parceria da Parresia para auxiliá-lo no planejamento destas ações em qualquer momento!

Adicionar Comentário

Clique aqui para postar seu comentário